Crônica: Fazer o certo

01:36

  Tumblr_maz00it87b1r0qrjjo1_1280_large

Já estamos distantes de onde as pessoas estão reunidas na festa. Já não nos preocupamos mais em nos pegar como se não houvesse amanhã já que a sala esta aparentemente vazia. As coisas ocorrem em um ritmo acelerado quando ele me solta repentinamente após ouvirmos um barulho em algum lugar da sala escura com bebidas na mesa e alguns pufes em volta. E ele. Meu rosto ruboriza no mesmo instante em que noto sua presença. 

- Desculpa - Começa Renan me puxando mais pra perto de maneira protetora - não notamos sua presença.

- Como se já tivesse notado algum vez - Ele ri sem humor. A frieza nas palavras de ambos é bastante perceptível. 

- Olha, to cansado das suas piadinhas. A gente ta querendo não te machucar ok? Senão não pararíamos toda vez que você estivesse por perto, e quer saber? Parece que você esta sempre por perto, parece que é de propósito...

- Tomando cuidado pra não me machucar? Parece até que vocês se importam com isso. - Interrompe ele.

Renan parece estar ficando com raiva e não tiro sua razão. Então trocamos olhares e ele entende a mensagem. Era melhor que a conversa fosse entre mim e Cristian, a conversa que sempre adiamos e que já deveria ter acontecido ha muito tempo. Não dava mais pra ficar se escondendo dele, adiando planos porque ele ele esta em tal lugar ou deixando coisas pela metade para não machuca-lo. Talvez tudo fosse diferente se tudo fosse esclarecido logo e eu não perderia essa oportunidade.

- Não se faça de sínico - tomei coragem - você sabe que temos tomado esse cuidado ultimamente. 

- E porque isso importa pra você? Como pode ter tanta certeza que estou sofrendo?

- Porque gosto de fazer o que é certo e não acho certo ficar te fazendo sofrer, porque sim, da pra ver que você não esta confortável com isso e também não estamos principalmente tendo que ficar adiando nossa vida por você - Soltei tudo logo mesmo sabendo que o que eu estava dizendo não era justo, não era culpa dele.

- Desde quando se preocupa em fazer o certo? Porque na época em que tudo começou você não parecida nenhum pouco empenhada em não me machucar ou fazer a coisa certa - O seu tom de voz se elevara um pouco. Já sentia as mão de Renan apertarem com um pouco mais de força a minha cintura. 

- Eu errei... Mas todo mundo erra não é verdade? Não era minha intenção, eu juro, aconteceu tão rápido que...

- Que não teve tempo de pensar em como eu iria me sentir sabendo que minha namorada estava me traindo com o cara que eu mais confiava no mundo? Sim, estou sofrendo, mas não quero empatar a vida de vocês, seu romance lindo ou seu amor sem fim - Ele se levantava pra ir embora, mas não podia deixar que fosse, não agora. Quando chamo seu nome baixinho ele finalmente olha diretamente em meus olhos e vejo a dor em seu rosto, imagino o quanto tudo aquilo esta sendo difícil pra ele. Mas também não estava sendo fácil pra mim, ok?

- Tem certeza de que se eu tivesse feito diferente as coisas estariam de outra maneira agora? Será que a dor seria menor? 

Ele para pensativo por alguns instantes e parece sem resposta. Sinto uma lágrima rolar pelo meu rosto e tento me aproximar dele. Mas não tenho coragem de toca-lo. Estávamos tão próximos e ao mesmo tempo tão distantes. 

- Não podemos saber de algo que nunca aconteceu, não da pra encher nossa vida de "e se". - Ele fala quase sussurrando. 

- Me desculpe por estar fazendo você passar por isso. - Não me lembro de ter pedido desculpas a ele alguma outra vez na minha vida. Sou muito difícil de fazer isso. Ele sabia que o meu pedido de perdão significava muito porque exigia muito de mim e eu não faria isso se não estivesse realmente arrependida.

- Tudo bem, vocês vivem a vida de casal normal e feliz de vocês e eu continuo minha vida. Vamos esquecer isso, ta legal? - Não, não ta legal. 

- Não podemos esquecer tudo isso e seguir a partir dai. Não podemos apagar o passado, o que somos foi construindo com base nisso. Não da pra apagar lembranças, você sabe. Temos que aprender a conviver com isso porque não temos o poder de apenas deletar tudo o que vivemos. Nós não duramos para sempre, mas nossa história vai ser eterna, dentro de nós. - Nos encaramos mais um pouco e ele da um breve sorriso. Naquele momento entendi que ele já não sentia mais raiva de mim, só o que eu também sentia: saudade. Mas ambos sabíamos que ele precisava virar a página e me deixar virar a minha também. Era hora dele seguir em frente para que eu pudesse fazer o mesmo.

- Eu te desculpo, mas por favor, deixe-me ir embora.

Só então noto que seguro sua mão, então solto e o deixo escapar da minha vida, novamente. É difícil me perdoar porque deixei ele sair por aquela porta, porque sei que ele nunca mais vai voltar. Mas eu sabia disso muito antes, quando naquele dia, naquele quarto, tudo aparentemente tinha acabado e ele tinha saído e batido a porta com raiva. Mas as coisas não estavam claras, de um jeito ou outro nenhum de nós tínhamos partido porque tínhamos coisas mal resolvidas. Mas agora, com aquele perdão, finalmente nos soltamos um do outro e cada um esta livre para seguir seu próprio caminho. E ele se foi. Não antes de eu dizer, mesmo que baixo, que ainda me importo com ele. E sei que ele ouviu. Mas não importa mais, só o que importa agora mesmo é seguir em frente. E sem olhar para trás.

Posts relacionados

0 comentários