Crônica: Fitando o nada

16:05

  
Acho que talvez eu não seja a única maluca que já esteve em um lugar público e ficou imaginando se alguém por lá teria os poderes de Edward e poderia ler meus pensamentos. Sei que a ideia é absurda, mas confesso que tenho a mente fértil. E bem bagunçada também. Talvez, se alguém tivesse o incrível poder de entrar nas mentes alheias e acabasse entrando na minha, acho que não faria muita diferença porque ele não entenderia nada mesmo. Talvez nem eu entenda. Meus pensamentos são tão bagunçados quanto o meu guarda-roupas. Talvez isso seja culpa da vida, que é assim mesmo, confusa.

Também tenho outro problema: eu penso demais. Vivo no mundo da lua. Não é difícil estar conversando comigo e do nada perceber meus olhos fixando o nada. Olho para o vazio, mas minha mente esta longe de estar assim. 

Minha cabeça é cheia de "e se"'s ou de tentativas de adivinhar o futuro. Desejando mudar o passado e pensando no que fazer para tornar o futuro diferente. Conversas que nunca aconteceram e outras que quando chegar na hora, nunca vão acontecer. Falta de oportunidade? Não, de coragem. 

Também ocupo minha mente pensando nas atitudes que deveria ou gostaria de tomar, mas uma coisa dentro de mim impede. Importar demais. Comigo? Que nada. Com os outros. Continuo fazendo as mesmas coisas que tanto me fazem mal a troco de não tornar aqueles sorrisos daquelas pessoas em lágrimas e frustração. Sendo que quem iria sair mais frustrada era eu. Porque as coisas tem que ser assim, tão difíceis? Se a vida fosse fácil talvez não tivesse a mesma graça, nem mesmo o mesmo sentido.


Posts relacionados

0 comentários