Crônica: Mentiras

14:46

 Pois tola fui eu, ao acreditar que poderia esquecer-te. Considerando a possibilidade de substituir-te por um qualquer. Como se beijar outras bocas pudesse apagar tua voz sussurrante no meio da noite. Tola. Por acreditar que poderia enganar a mim mesma ao fingir que nada aconteceu entre nós. Por achar que poderia ignorar o ritmo acelerado em meu peito ao ouvir teu nome. Equivocada ao achar que não sentiria sua falta - nossa falta. Tola, infantil, burra ao crer que poderia fingir que não te amo, e ter de descobrir do pior modo que não tem como ocultar tal sentimento de si. Cansada de enganar a mim, hoje digo com certeza e clareza: te quero, te preciso, te amo.
   — Por que tem hora que a gente cansa de mentir pra si.

 Então, pessoal, um textinho antigo, pequeno, e vamos combinar, não saiu dos melhores, né? Mas, foi só pra compensar a falta que estou em relação ao blog, e agora que meu computador voltou pra mim, estou voltando pra vocês!

Posts relacionados

0 comentários