Crônica: Tempo, tempo, tempo...

20:12

  
  Está chovendo, por que dias de chuva sempre me lembram memorias tristes? Por que sempre algo ruim acontece comigo quando chove? As memorias coltam com tudo quando chove, um pouco de melancolia passa por mim, memorias não tão agradáveis são tudo que eu não queria lembrara nesse momento mais é impossível não lembra-las, impossível de controlar as gotas quentes que caem dos meus olhos sob minhas bochechas carnudas, uma das partes do meu corpo que eu odeio, só indica o qual gorda estou, é impossível de controlar a dor que passa das memorias direto para o peio, onde se aloja aquilo que ainda chamo de coração, partido, mas ainda um coração, aquelas lembranças felizes de dias de chuva ficaram para trás, como em minha infância, agora chova só me lembra lágrimas, sofrimento, enterros e sangue, tanto faz o real ou o que eu criei em minha mente para representar aquele sofrimento que sempre sinto. Está frio, frio me lembra solidão, dias quentes me lembram o inferno em que eu vivia e ainda vivo, gosto de dias mornos, nem quentes, nem frios, me lembram colo de mãe, aquilo que não tenho a sete anos, olho de relance para as cicatrizes, um ano limpa. Talvez suicídio seja a forma mais rápida de acabar com a depressão, sem a história de psicólogos e tratamentos demorados, eu não aguentava aquela época de olhares de pena e de compaixão, mas não é uma opção agora. Será pedir muito eu me olhar no espelho e me sentir confortável com o que vejo? Uma semana, uma semana que não olho no espelho realmente, claro eu olho pra eles, mas não realmente, estou começando a esquecer meu rosto, não gosto nem de ver fotos. O sol está abrindo, aos poucos, de pouquinho em pouquinho, as lembranças vão sumindo, humpf, mais um dia, mais um dia com um sorriso falso na cara pra esconder de todos a tristeza, os choros no banheiro e nos horários de filme que sento só lá atrás... Mas a vida continua, e um dia ela acaba.


Posts relacionados

0 comentários