Crônica: E depois do seu abraço, estava tudo bem

11:55

Eu não sei dizer o motivo da minha frustração. Nem ao menos sei se era realmente frustração, ou se era raiva, ciúme, tristeza... Talvez uma mistura de tudo. Não importa, eu sei apenas que não estava nem um pouco bem. Mais uma vez, entre rodas de amigos, estávamos nós dois, e nossa falsa felicidade isolada. Você fingindo sorrisos de um lado, e eu fingindo do outro. Os dois sabiam que algo estava errado, mas nenhum iria levantar a dúvida em público. Na hora de sairmos da lanchonete e irmos andar, você olhou nos meu olhos e depois disse para os outros: vamos logo, tem alguém ficando brava com a demora. Por um momento eu fiquei agradecida por você apressar o pessoal, e em seguida me aborreci com o fato de você anunciar para todos que eu estava "de mal humor" ou "na tpm". Quando todos se viraram para me olhar, minha frustração só aumentou e eu me virei para encarar a porta de vidro que me levaria para longe daquele ar condicionado, e quando me virei de volta para ver se estavam vindo embora, surpresa!, você estava atrás de mim, com os braços estendidos. Não consegui pensar sequer meia vez e me enfiei no teu abraço. Como sempre, o resto pareceu sumir. O seu perfume estava em todo lugar, e você pareceria ter sido feito para eu abraçar, porque nós nos encaixávamos com perfeição, seus ombros tinham a altura certa, e minha cabeça ficava perfeitamente confortável apoiada no seu peito. Não sei por quanto tempo ficamos assim, mas você me abraçava cada vez mais forte, e sem ter dito uma única palavra em momento algum. Nos soltamos quando os outros disseram "vamos?", e ainda sem dizer nada, você me olhou nos olhos, e de repente, estava tudo bem.
- Bárbara Andrade


Posts relacionados

0 comentários