Crônica: Emoção Inenarrável

19:35


Queria ser menos complicada, sabe? Ser dessas pessoas que fazem o que querem e bem entendem. Tudo bem, eu sei que devemos ter nossos limites. Mas tenho refletido tanto depois que voltei a escutar Titãs, e para completar sempre que estou perto de você e escuto Epitáfio só falto enlouquecer... Desde que te conheci fiquei tímida, perdida, sem saber o que fazer, sem rota, sem direção e tudo que eu quero é um pouco de coragem para me expressar.

 Faz tanto tempo que não consigo escrever, isso tudo por causa de você, que fica no meu pensamento tornando inenarrável minha emoção. Fernando Pessoa estava mesmo certo em ''Todas as cartas de amor são ridículas'', o amor/paixão/ilusão nos deixa ridículos mesmo. Escrevendo isso já me sinto ridícula, mas quando te vejo tudo se torna tão importante, cada detalhe, cada olhar, cada tom na voz, cada pronúncia da palavra parece que irá fazer extrema diferença.

 Depois de um tempo a gente percebe, a quantidade de oportunidades perdidas, de risadas que foram intercaladas pelo medo, esquecemos até que as pessoas mais experientes já passaram por bizarrices, os dias vão passando e me pergunto o que fazer para mudar. A vida de musicista tem me ensinado o quanto é preciso errar para enfim se aperfeiçoar e finalmente acertar as notas. Mas ainda assim, o medo percorre, me esconde, me persegue, me invade, me faz perder a cabeça. Talvez isso não dure, talvez isso seja loucura ou simplesmente perda de tempo, mas o que guardaremos do tempo sem as memórias do momento? E como teremos memórias se não as buscarmos?


Posts relacionados

0 comentários