Crônica: É doença?

23:02


Às vezes da vontade de te pegar, guardar num potinho e deixar de enfeite na prateleira, sabe? É que esse ciúme me mata e a saudade me consome. Sou egoísta demais e não suporto te dividir com ninguém, nem mesmo com o ar que você respira ou as estrelas que você admira algumas noites deitado no jardim. Ao invés disso meu orgulho me faz engolir esse sentimento engraçado que nos faz querer matar todo mundo que chega perto de quem a gente ama e tudo que me resta são suas redes sociais para acompanhar. Você não sabe, mas a sua senha está salva comigo. O número do seu CPF e do CEP também, mas é só por precaução, você não entenderia. Sei dos seus passos, o que você esteve fazendo semana passada e com quem você anda conversando. Algumas pessoas já entraram na minha lista negra. Ei, não tente fugir, eu sei onde você pensa em se esconder. E se eu disser que andei observando sua casa de longe porque aquela pessoa atirada disse que iria te visitar? Não se assuste com isto, sério, já fiz coisa pior. Eu sei, parece doentio, mas na verdade é só amor. O nosso mal de amar demais, de querer sempre mais. Quem sabe amar seja doença. Mas se for, amor, eu não quero saber qual é a cura. 

Inspirado na música da fofa da Clarice, Macaé. Porque sei lá, gosto dessa música.
Tá meio parecido com outro texto, mas quando a inspiração vem tem que seguir o embalo né.

Posts relacionados

0 comentários