Crônica: Sonhos impossíveis

17:32


Eu queria ser suficiente sabe? Suficiente já me bastava um bocado. Eu não precisava ser a melhor, nem mesmo boa, suficiente é tudo o que peço. Eu queria poder sumir de vez em quando, ir pra um mundo onde não me apontassem o dedo pelas minhas falhas, mas lembrassem das minhas vitórias e conquistas. As vezes o que eu mais preciso é de um simples abraço, daqueles que prendem o fôlego, e dão segurança. Eu queria sentir que eu basto pra ele, sentir a segurança que nem pelos delírios dos meus pais ele vai desistir. Mas quem garante? Eu não o culparia.

Eu poderia correr pra longe daqui se me deixassem, cruzar o Atlântico com duas notas no bolso e a pouca fé que me resta no coração. Eu queria poder sonhar alto de novo, sem medo do que poderia acontecer. Sem os traumas que me rondam. Eu poderia voar se não tivesse medo de altura, medo de cair tao profundo que os machucados nunca se curariam e eu ficaria sangrando pra sempre.

Eu queria me sentir suficiente, principalmente pra ele, que me acolheu nos seus braços e me deu um ninho pra onde eu quero voltar dia apos dia, porque é um local que já me puxa, feito a gravidade, essa sensação é única e inexplicável. Eu queria não temer perder meu ninho, não perder minha segurança, meu lar.

Eu poderia ser feliz, se não tivesse medo.


Posts relacionados

0 comentários