Solidão

14:26


Solidão. Tem algo mais atormentante que solidão? Ah, meu caro, quando ela te invade, nem mesmo fechar os olhos e “dormir” adianta. É triste! Ela te deixa triste. Ela te faz triste. Solidão é igual familiares chegando pra festa natalina, sem avisar. Ela chega e te invade. Te corrói. Ela te fecha para o fulano, para o cicrano; para o mundo e assim, só resta se agachar no canto da parede do banheiro, ligar o chuveiro e fingir. Fingir que está recebendo um banho de alegrias, fingir cantar - mesmo com a voz soluçando - e fingir acreditar que ela vai passar. Ela não é igual a felicidade. Felicidade vem e vai em um piscar de olhos. Solidão vem e fica, se agarra, porque ela tem medo de si própria. De único, você passar a ser nada. Solidão massacra. Ela quer companhia para beber, assistir filme, comer pipoca, fazer chocolate, ler um livro, contar piadas. Ela quer alguém que a ame e a faça se sentir amada. Espera. Estou confundindo. Quem quer isso somos nós. Aí ela vem. Torna-se tudo isso; porém é daquelas que a gente não vê, só sente. Daquelas que dizem ter a alma negra, sombria. Daquelas que são frias. Que nos congelam. Nos paralisam. Estou caindo. Estou sumindo. Eu consigo ver, lá no fundo, a minha luz. Me dê a sua mão, me tira da solidão. Eu consigo ver. Mas não tenho forças. Estou chorando. E meu pequeno infinito é tomado pela solidão e se estende. Prolonga-se pelos dias que virão. Eu consigo ver. No entanto, estou perdendo o dom de sentir.”

[créditos linkados aqui /\]

Posts relacionados

0 comentários