"Não é racismo, é só uma brincadeira" será?

11:46


 Esses dias me deparei com a notícia de um comentário maldoso feito pelo velho gagá  apresentador Silvio Santos em um programa do SBT sobre uma atriz mirim negra.

Trecho da notícia: " “E o que você quer ser?”, perguntou Silvio. “Eu quero ser ou atriz ou cantora”, respondeu Julia. “Mas com esse cabelo?”, devolveu o dono do Baú. “Mas como assim?”, reagiu a menina, surpresa. Ele então deu uma gargalhada e fez a mesma pergunta a outra atriz. No entanto, essa afirmação deu o que falar.  "

Resolvi ler os comentários (não sei por que ainda faço isso, sempre me arrependo) e me deparei com opiniões sensatas, mas também com algumas besteiras, para variar. Muitas pessoas estavam defendendo que o Silvio fez apenas uma brincadeira, porque ele tem essa mania de fazer humor. E sei que muita gente defende que "a zoeira não tem limites", especialmente na internet. Será que não tem mesmo? Será que toda piada pode ser feita, mesmo quando você pode machucar de verdade alguém?

Não sei quantos anos a garota tem, mas ela é jovem, até mais nova que eu. Tenho 15 anos e sei que sou bem suscetível a ficar abalada com muita coisa, provavelmente porque não tenho maturidade suficiente para lidar com isso. Mesmo adultos são assim, pois todo mundo é sensível, não importa a idade. Imagina uma garota como aquela? Nós, jovens, ainda não sabemos bem quem somos. E às vezes tendemos a acreditar no que os outros dizem a nosso repeito porque não temos tanta segurança assim. Acredito que quanto mais nova a pessoa é, mais isso é verdadeiro. Comentários como o do apresentador podem realmente levar a atriz (ou qualquer outra garota que esteja assistindo ao programa) a pensar que há algo de errado com ela. Que há algo de errado em ter cabelo cacheado. Que há algo de errado em ser quem ela é.

O segmento da beleza é um dos que mais crescem no Brasil. Quantas mulheres você conhece que fazem tratamentos de alisamento? Eu mesma faço uma dessas escovas para deixar o cabelo "bom". Comecei há quase dois anos e ainda algumas pessoas me dizem que gostavam dos meus antigos cachos. Mas eu tinha até apelido, sabe? E as pessoas que deram o apelido tinham até um ritual para me zoar quando eu chegava perto. Teve uma garota na 1° série que dizia que eu tinha "cabelo de bruxa". Eu me rendi a esses alisamentos porque não conseguia me olhar no espelho e gostar do que via de tanto as pessoas colocarem na minha cabeça que tinha algo de errado comigo. E confesso que até hoje não me vejo abrindo mão desses tratamentos. É muita pressão para ter "cabelo bom". E olha que os meus cachos não chegavam nem perto de serem tão marcantes quanto os da atriz do SBT.

Então, por mais que seja uma tentativa (falha) de fazer humor, essa uma diversão que custa caro para alguém. A atriz pode nem ter ligado, mas alguma outra pessoa que tenha assistido ao programa pode ter ficado triste com o comentário. E a gente tá tão acostumado a se divertir às custas dos outros e disfarçar dizendo que é "brincadeirinha", né? Pena que só é engraçado para um dos lados.

Li um comentário irônico nesse mesmo post que compartilhei o qual gostei bastante também. Apesar de ficar meio decepcionada porque o cara precisou avisar no final que era ironia e ainda teve gente que não entendeu. Isso era uma resposta a um outro comentário que achava que o Silvio Santos estava só brincando. 


Salientar que ela não penteia o cabelo? Duvido que alguém que está na mídia, e com a aparência tão boa, não cuide do cabelo, hein. 

Parece que o preconceito (de qualquer tipo) anda por aí fazendo desgraça usando a capa de invisibilidade do Harry Potter. rs

Às vezes a gente não vê, mas o preconceito tá aí. Acho que isso de passar despercebido acontece porque ele é mais marcante para as pessoas mais pobres e com menos estudo, que não são poucas. Mas as pesquisas tão aí para mostrar: os trabalhadores negros ganham menos que os não negros, e ainda menos se for mulher. Outro dia ouvi falar de um vídeo sobre um estudo em que as crianças tinham a oportunidade de escolher entre uma boneca negra e uma branca, e elas tendiam a escolher a branca, até as crianças negras. Eu mesma nunca tive uma boneca morena, apesar de nunca ter visto diferença nenhuma em relação a cor da "pele" dos meus brinquedos.

Tem mais: acho esse comentário irônico válido para outros tipos de preconceito também, como a homofobia. Já vi gente dizer que os gays se acham superiores e querem dominar o mundo (ri para não chorar). Eles só estão buscando os direitos deles, justamente para poderem se igualar as pessoas "normais". Se os gays vão dominar o mundo? Bom, eles sempre existiram (escondidos), assim como os héteros sempre existiram e existirão, e nunca tentaram algo assim, então acho que não tem perigo. Sua família está em segurança rs (:

Falando em "ser normal", eu sou a única que acho esse termo vazio? O mundo é muito diversificado para a gente se limitar a essa história de "normal". Nós consideramos "normal" várias coisas que os gringos estranham e não entendemos como pode ser comum certos hábitos em outra culturas. Aqui onde eu moro é "normal" ter pele morena. Já lá no sul as pessoas são "normalmente" brancas. É "normal", mas não é regra. Quando levamos isso para uma escala de Brasil, não dá nem para definir um padrão, de tantas diferenças raciais que exitem num país de dimensões continentais e formado a partir de tantos povos distintos, especialmente os portugueses, os africanos e os índios.

Portanto viva as diferenças! Viva as peles diferentes, os cabelos diferentes, os casais diferentes, os gostos diferentes, as opiniões diferentes, as culturas diferentes, etc. Lembro de um episódio de Padrinhos Mágicos que assisti certa vez (engraçado como os desenhos passam mensagens que a gente nem percebe, né?) em que o Timmy pede um mundo em que todos sejam iguais, mas tudo se torna confuso e sem graça. Ainda bem que nosso mundo não é assim, não é?

Lembrando que os comentários são moderados. O mesmo direito de liberdade que você tem para falar o que quiser, eu tenho parar decidir o que é exposto no meu blog (: Então vou amar se você quiser contribuir nos comentários com o tema, mas se você quiser espalhar ódio, sugiro que procure outro lugar, porque aqui só aceitamos o amor.


Postado por: Ana Letícia

Posts relacionados

0 comentários