Liberdade

13:59

lelima.vsco.co

Há uma bela praia por trás do mar de prédios. E eu daria tudo para estar lá. Queria ouvir as ondas quebrarem, sentir o vento acariciar meu rosto e apreciar até a sensação de apenas ter os pés na areia. Ser livre como os pássaros que cantam sem medo de nada, nem de ninguém. Fitar o mar infinito sem temer deixar-me levar pela correnteza até onde for mais profundo, mais intenso. 

Ao invés disso estou vivendo a prisão da cidade, onde os medos de cada um sobem as paredes em desespero, como plantas trepadeiras, que não sobrevivem a esse caos. As solidões se esbarram em cada esquina e os sorrisos se perdem na multidão, porque o anúncio daquele novo smartphone parece mais atrativo que a felicidade. Posso dizer que sou vítima do inferno que cresce a minha volta, porém, para ser sincero, sou mais um colaborador para que ele se construa. 

A verdade é que não posso ansiar por ser livre, porque a liberdade já está em mim. Sempre é possível por a culpa no destino, nos deuses, nas circunstâncias ou nos astros lá no céu, que, coitados, nunca pretenderam atrapalhar a vida de nenhum simples mortal. Temo, mas devo assumir que sou livre e, acima de tudo, totalmente responsável pelos meus atos. E totalmente vulnerável aos meus instintos. 

Então eu poderia caminhar do meu meu maldito conforto ao paraíso. Bastaria tomar coragem para enfrentar meus terrores e seguir em frente, deixando-me levar pelo vento com a suavidade com a qual a areia toca os meus pés, sugando de mim seja o que for que haja de errado. Poderia parar de julgar se sou digno de merecer o que almejo, encarando-o nos olhos, sorrindo, seguro. 

Mas meus passos vacilam, terrivelmente aprisionados ao meu lugar mais confortável, mais frustrante. Por isso desvio os caminhos que me levam até o mar e prefiro admirá-lo de longe, com uma mistura de fascínio e terror, como se ele fosse tanto me dar quanto tirar a vida. E vou arranjando culpados, assim como os outros ao meu redor, até ficar sufocado com tantas acusações. Porque até nas pontas dos fios de cabelo me falta coragem, e sem coragem não posso correr até a minha liberdade.


Postado por: Ana Letícia

Posts relacionados

0 comentários