Diário de viagem: Curitiba 3° dia

18:23



Primeira parada: Passeio Público. O Memorial Árabe, que fica em frente, estava fechado, mas eu gostaria de ter conhecido também. Soube que esse parque, o passeio público, é o mais antigo de Curitiba e tem até um pequeno zoológico. Amei muito. Tinha flamingos lá!!! Sem falar que, como dá para ver pelas fotos, é incrivelmente bonito. Finalmente sai com os dois, Babi e Rosivaldo <3 Foi lá que tiramos a foto mais linda do mundo em que saímos (quase) naturais e com um lago maravilhoso de cenário.

Estava menos frio, felizmente, porque Natal não me deu preparo para temperaturas abaixo de 20°c. Sequer baixa até 20°c por aqui, para ser sincera =D O problema eram as manifestações rolando pela cidade, minha mãe ficou com medo de passar por perto. A gente viu pessoas de preto por toda parte. Babi me explicou a história, ela própria está sem aula por causa da greve, e sugiro que vocês pesquisem sobre o que está havendo. Foi tenso e decepcionante ver como estavam tratando os professores de lá.

Pegamos um ônibus dos vermelhos para almoçar no Shopping Estação, mas não fomos felizes na escolha do restaurante. Rosivaldo chegou com atraso, ficou para trás porque não conseguia tirar a trava da bicicleta e nós achamos até que alguém tinha forçado para tentar abrir, mas na verdade ele tinha esquecido que a combinação estava diferente. Conhecemos o Museu Ferroviário, que fica no shopping mesmo, e fomos os cinco ao Bosque do Bapa, que é incrível! Amei aquele lugar. E de lá dá para ir a pé para o Museu Oscar Niemeyer, que é atrás. Foi outra experiência maravilhosa.

Só que lá no Bosque há uma estátua do Papa que, sinceramente, se eu encontrasse andando sozinha por aquelas trilhas me daria muito medo. Inclusive isso acaba de me dar uma ideia par aescrever, mas deixa para lá. Já no Museu, a exposição que me atraiu mais foi uma de arte cibernética onde haviam muitas luzes e interação das pessoas, acho legal isso das pessoas integrarem a arte etc. 

Mais uma eternidade no ônibus turismo. Passamos pelo Parque Tingui, no qual eu amaria passar o dia, mas deixei para uma próxima. Estávamos exaustos. Eu e meus pais fomos para o hotel. Babi chegou bem em casa. E Rosivaldo descobriu que alguem roubou a bicicleta, que ele deixou presa a uma grade ao lado do shopping. Cerraram a trava. É, parece que essa bicicleta estava destinada a sumir. #lutobike

Resumindo: Vale muito a pena conhecer o Bosque do Papa, o MON e o Passeio Público. O Museu Ferroviário é legal, mas não achei essencial. E chegamos mais uma vez à conclusão de que, para conhecer a cidade toda, precisamos voltar lá mais vezes e passar mais tempo. Porém, por esse dia, tudo o que vimos foi lindo e suficiente.

Os créditos das fotos estão, não especificamente, entre mim, Bárbara e Rosivaldo. Bjs 




"Ana, faz pose" 







Nada mais natural que o meu medo de chegar perto desse treco



Melhor foto <3






Aquela pose que você faz em frente aos painéis do Midway -- uma sincera homenagem à Natal




Isso não parece um Papa (...)





Quando a vida imita a arte (ainda não creio que paguei esse mico) 









Postado por: Ana Letícia

Posts relacionados

0 comentários