TAG 15 coisas legais que aconteceram em 2015

17:27


Ultimamente, quando chega essa época de final de ano, as pessoas na internet têm tido a mania de ressaltar o que aconteceu de ruim durante o ano. Como se já não bastasse o noticiário listando todas os acontecimentos aberradores que presenciamos, ainda insistimos em levar somente as memórias ruins para o ano que se segue. É importante lembrar das falhas e das quedas, afinal, elas nos fizeram mais fortes em 2015. Sei que algumas pessoas passaram por situações realmente difíceis. Eu passei por momentos difíceis. Recebi notícias que me deixaram completamente sem chão. Mas a vida não é feita só de momentos bons, tão pouco só de tempos ruins. 

Em 2015 vivemos a crise, assistimos a desgraças, sofremos com as perdas. Porém, acredito que ainda houve muito a agradecer, mesmo que seja apenas por aquele sorvete gostoso que você tomou outro dia num final de tarde. Isso tornou seu dia mais fácil, te ajudou a se sentir melhor? Então está valendo. Pensando assim, aderi a TAG da Bruna Vieira, do blog Depois dos Quinze, para entrar 2016 cheia de gratidão e energia positiva. Farei uma lista com 15 coisas legais que me aconteceram este ano, sendo algumas delas bastante significativas, e outras nem tanto, mas o suficiente para fazer a diferença. 

Espero que vocês se inspirem e criem suas próprias listas. Compartilhem nos comentários, se for possível, porque eu adoraria ler. Desafio Tuane e Bárbara a participarem da TAG e todos os leitores do CDG. Não deixem que as memórias negativas dominem sua mente, deem espaço para o que houve de bom também. Deem valor ao que fez seus dias mais bonitos <3

Fiz minha primeira apresentação de dança 
Novembro de 2014, eu decidi que iria perder a vergonha de dançar. Entrei nas aulas de dança de rua bastante tímida, descrente que algum dia poderia fazer aquilo na frente de alguém. Mas eu consegui, duas vezes! Bom, não foi perfeito, mas foi uma experiência bastante válida. Além disso, dançar me deixou mais segura em relação ao meu corpo, aos meus movimentos. Descobri um grupo de pessoas maravilhosas e algo que amo fazer. Foi definitivamente uma das melhores coisas em 2015.

Libernautas <3
Apresentei uma peça  
Tive que pagar uma matéria na escola chamada de Artes Cênicas, temida por que ainda não passou por ela, amada ou odiada por quem já pagou. Foi uma das coisas mais estressantes que fiz. Eu passava o dia todo na escola ensaiando, resolvendo problemas, lidando com pessoas. E ainda tive que superar meu terror de palco e atuar na frente de quase 400 pessoas. Mas valeu a pena, muito a pena. Cada risada (eramos uma Cia. de comédia), cada aplauso, cada elogio no final. Até algum comentário desnecessário (e invejoso rsrsrs) não foi capaz de acabar com minha alegria. Eu só não repetiria o processo, porque, sinceramente, até hoje não sei como sobrevivi àquela época. 

Reconheci minha ansiedade  
Vários motivos pessoais me levaram a aceitar que sou uma pessoa ansiosa. É normal, se não fosse pelo fato da minha ansiedade desencadear inseguranças, barreiras, cobranças e muito sofrimento. Reconhecer isso já foi um passo. A partir de então, passei a me dar conta de muitas atitudes minhas que só serviam para me prejudicar. Julgamento excessivo, altas cobranças, tentar abraçar o mundo inteiro e controlá-lo sozinha, tentativa de alcanças a perfeição, dar ouvido à opinião alheia, censura, medo, medo, muito medo. Não é  como se as paredes ao meu redor tivessem caído quando eu as notei, mas pelo menos agora sei que estão lá, e posso desvendar alguma maneira de derrotá-las. 

Fiz progressiva 
Há alguns anos eu fazia relaxamento capilar. "Acalmava" meu cabelo, mas ele ainda tinha a forma selvagem natural dele. Este ano finalmente fiz um alisamento de verdade. Meu cabelo estava longo e liso, assim como eu sempre quis. E eu me sentia muito bem com isso. É verdade que eu estava bem limitada, mas estava feliz, até que os meses se passaram e eu...

Euzinha lidando com a liberdade do meu cabelo 
Deixei o cabelo cachear novamente 
Foi uma decisão difícil. Levei semanas refletindo se aceitaria minha liberdade de volta, em trocar de aprender a lidar com o meu cabelo de verdade. Mas eu concordei. As minhas pontas já estavam esgotadas, e já me alertavam que, se eu continuasse naquele ritmo, talvez futuramente nem tivesse mais cabelo para contar história. O empoderamento das mulheres de cabelo cacheado também me ajudou a tomar essa decisão. E, assim como eu estava feliz com a progressiva, sinto-me feliz agora redescobrindo o meu cabelo real, há tanto tempo deixado para trás. 

Eu fiz a Crisma  
Já estive bem afastada da Igreja, mas, convencida por uma amiga, concordei em participar das reuniões quinzenais da Crisma e descobri que ser católica é muito mais que a imagem distorcida que certas pessoas passam por aí. Descobri uma comunidade acolhedora, uma vontade incrível de fazer parte e deixei minha vida ser preenchida pelo amor Daquele que foi minha luz nos momentos ruins. Ainda não sou 100% de acordo com tudo, nem espero que um dia seja, mas decidi que é melhor fazer parte, mesmo que de maneira torta, do que não fazer parte de maneira alguma. Assim, restaurei minha Fé, e certamente trouxe muita paz para a minha vida. 

Meus pais reformaram a sala 
Pode parecer banal, mas para alguém que nunca teve condições de fazer nada disso, é uma grande vitória. Todos os nossos móveis da sala já passaram por outras casas, tudo era fruto de doação de parentes. A crise está afetando todo mundo, e não está fácil para ninguém, mas já conseguimos algumas conquistas, e me sinto bem feliz por elas. Tivemos muitos problemas com a empresa que fez os móveis, mas é a vida. O que importa é que a nossa sala tá maravilhosa.

Somos Amis
Fortaleci laços de amizade 
Durante 2015, eu percebi que certas pessoas já não fazem mais parte da minha vida. Enquanto isso, permiti que outras entrassem ou, até mesmo, se reaproximassem. Sei quem são as pessoas com quem posso contar e me sinto muito grata por isso. Sei também dos anos que me senti sozinha, e o quanto é importante ter esses amigos comigo. Amis, CDG, MPDT, entre outros lindos: obrigada <3

Fui a Curitiba  
A viagem a Curitiba foi incrível. Reencontrei a Babi, Rosivaldo, conheci lugares maravilhosos, vivemos momentos muito bonitos, de verdade. Eu sou muito grata por essa viagem. Fiz uma série de posts para comentá-la e, mesmo assim, não acho que seja possível descrever o quanto foi bom. 

Assisti a How I Met Your Mother 
Eu nunca tinha terminado uma série, e escolhi logo uma de nove temporadas para realizar esse feito. Tudo bem, porque eu amei. Sério, HIMYM é praticamente uma lição de vida. Eu fiquei envolvida pela história durante muito tempo, já que assistia aos poucos, então os personagens e suas manias realmente se tornaram parte da minha vida em 2015, por isso foi tão difícil chegar ao fim. Ainda mais com aquele fim horrível, fala sério. 

Assinei Netflix e Spotify
Dispensa comentários. Acho que foi esse ano que assinei a Netflix, sei lá. O Spotify foi mês passado. Eu não tenho saco para ficar baixando coisas e correr risco de adquirir vírus, além de me sentir mal por contribuir tanto para a pirataria, então resolvi recorrer a esses serviços maravilhosos <3 Não sei o que seria da minha vida sem eles para me ajudar a entrar na minha bolha de isolamento do mundo. 

Mais fotos dos Amis porque minhas melhores fotos são com eles
Comprei um computador novo
Fazia uns anos que eu usava o mesmo computador da HP, mas o pobrezinho já estava bem sofrido. Troquei meu bebê por um novo da Dell muito superior, que roda os programas que usarei no meu curso técnico numa boa <3 Além de, obviamente, não travar a cada cinco segundos. Acho que agora não tenho desculpas para deixar o blog desatualizado, haha.

Comecei a fazer parte de um projeto de extensão
Para quem não saber, eu curso técnico em edificações no IFRN, o que me obriga a passar por algumas coisinhas que não rolariam caso eu fizesse o ensino médio regular. Preciso completar umas horas de projeto ou estágio, e, quando a professora ofereceu as vagas nesse projeto na minha turma, corri para fazer parte. É difícil explicar sobre o que se trata, mas posso dizer que me sinto bem feliz por já estar encaminhando isso, já que preciso dessas horas de trabalho para me formar em 2017. 

Fiz três anos de blog
Gente!!!!!!!!! Três anos é muita coisa. Eu posso não ter expressando tanto no post que fiz para comemorar, mas me sinto muito orgulhosa pelo CDG e por mantê-lo até hoje. Pode não ser um blog fantástico, eu posso não escrever nada demais, mas é uma das poucas coisas incapazes de me trazer decepções. Sinto-me muito acolhida aqui, por isso espero que nossos leitores se sintam assim também. 

Eu cresci
2015 foi o ano em que percebi que estou deixando alguma coisa para trás. Há muito o que se fazer, experiências novas para viver, gente para conhecer, e velhos hábitos devem ser deixados de lado. Como já falamos várias vezes aqui no CDG, os 17 estão aí, o que significa que não somos mais aquelas garotas de 13 anos que estudavam juntas e gostavam de escrever quando criamos o blog. Não devemos ser. Aprendemos muito nos últimos anos, o que nos fez crescer aos poucos. E, para continuar evoluindo, é necessário deixar algumas coisas em 2015, mas levar todas as lições, para não insistir nos mesmos erros. Além de ter coragem, muita coragem, porque 2016 certamente não vai acontecer sozinho. 

Postado por: Ana Letícia 

Posts relacionados

0 comentários