Série: Jessica Jones

13:56

Imagem de david tennant, jessica jones, and kilgrave

Após diversas indicações insistentes, resolvi dar uma chance a série do Netflix inspirada numa personagem da Marvel, Jessica Jones. Nunca fui fã de heróis, mas confesso que essa série salvou vários dias tediosos das minhas férias (rs). A atriz que interpreta a protagonista, Krysten Ritter, é maravilhosa e eu acho que soube muito bem dar vida a uma heroína tão complexa e traumatizada. Já a conhecia como a namorada do Jesse em Breaking Bad e já curtia o trabalho dela, agora então, são só amores <3

Jessica ganhou seus poderes num acidente de carro que matou sua família, sendo criada por uma mulher e sua filha, num lar problemático e cheio de abusos. Mas Jessica aparentemente sempre foi metida a durona e nunca deixou que ninguém lhe dissesse o que fazer. Até que conheceu Kilgrave, o vilão que tem o poder controlar mentes e fazer com que as pessoas cumpram qualquer ordem que ele lhes der, basta falar. Ele se utilizou da super-força de Jessica e a abusou fisicamente e psicologicamente. Porém, um dia, por algum motivo, ela conseguiu se libertar do seu controle. E, meses depois, cheia de traumas e trabalhando sozinha como uma detetive particular (das boas), ela percebe que seu pesadelo não chegou ao fim: Kilgrave ainda está por aí, mais perigoso do que nunca.

A série mostra aos poucos a história complexa que envolve os poderes de Jessica, seu passado e o relacionamento forçado com Kilgrave, e nós percebemos que não se trata apenas de uma garota poderosa tentando defender o mundo, mas também de uma pessoa querendo justiça pelos abusos que sofreu. Mesmo assim, pasmem: ainda há gente que romantiza e torce pelo "casal". Além de ser uma forma de entretenimento incrível, a série dá muito o que pensar sobre abuso, porque da mesma forma que Kilgrave persegue e manipula Jessica, há muitas pessoas por aí rondando e controlando cada passo do seu companheiro/a como se tivesse esse direito sobre a vida de alguém. E isso é muito sério, muito errado. Por mais que tenha idiota por aí para achar bonito. 

Há cenas bastante fortes, especialmente quando a história vai se encaminhando para o final. Eu não sou fã de violência, e tem certos momentos que acho que até quem não se importa, deve ficar meio horrorizado, porque, nossa, é pesado. Eu me sentia cheia, perturbada, depois de passar horas assistindo a série. Mas não vejo isso com maus olhos, é sinal de que fui tocada por ela. Apesar disso, é só fechar os olhos. Sem falar que a história em si é muito forte. Se você está esperando ver um conto de fadas cheio de rosa e purpurina, certamente essa não é a série para você. 

Eu particularmente considero a história muito boa, mas já vi gente reclamando que era diferente dos quadrinhos. Só que esse povo reclama de tudo né. Parece que nos quadrinhos a Jessica usa umas roupas coladas, usa codinomes e o Kilgrave é púrpura, além de ter um passado diferente. Mas eu acredito que as adaptações feitas foram necessárias. Porém, em muitas cenas Kilgrave aparece vestido de roxo e tem até uma cena que a Jessica persegue um cara com terno roxo na esperança de ser ele. E acaba se dando mal, claro. 

Tem horas que dá raiva de todos os personagens, até dos bonzinhos. O que, para mim, é sinal da complexidade deles, que não se mantêm perfeitos toda hora. A amiga dela, Trish, às vezes me irrita porque ela está sempre tentando ser perfeita, mas enfim, ela não é. Entretanto, eu me vi gostando do Kilgrave em vários momentos, porque ele é uma figura interessante, mas não o considerei menos repulsivo e nem deixei de querer a todo instante que ele morresse. Afinal, ele é o vilão, e dos piores. 

Então, é isso. A segunda temporada está sendo gravada, a primeira conta com treze episódios e eu aposto que o que está por vir não decepcionará. Vários fios soltos foram deixados no final da temporada, e eu prevejo uma história boa e complexa para a próxima. Quando foi chegando perto do fim eu estava super confusa e cheia de interrogações, mas as coisas se esclarecem e termina tudo, bem, não posso dizer como termina c: Mas você pode assistir e descobrir sozinho, que eu garanto que valerá a pena. 



Postado por: Ana Letícia 

Posts relacionados

0 comentários