Texto dos leitores: Quebra de Relacionamento

23:03

Olá, seja você quem for. Engasgado com tantas palavras que já tentei engolir, vou colocar tudo pra fora aqui. Não sei ser impessoal. Pra mim, a impessoalidade é uma fuga de si mesmo e isso não é tão verídico quanto uma bela e bem aplicada primeira pessoa. Afinal, sobre o que vou falar? Sobre o que todos já passaram e, caso não tenham passado, um dia irão passar, não tem por onde fugir. Um término de relacionamento. 

Para tantos, a época dos choros. Pra outros, a época em que o Safadão irá reinar em seu som automotivo e você fará questão de gritar pra quem estiver por perto "BORA BEBER QUE EU TÔ SOLTEIRO DE NOVO", mas, queridx, venhamos e convenhamos que essa é uma fase super delicada, ainda mais para aquele que decide tomar a decisão de pôr um basta na situação.

Me vi nas duas situações, em meus dois términos. Um deles me devastou por aproximadamente 48h, eu comia e não sentia o gosto, até mesmo da lasanha da Dona minha mãe, pela qual sou apaixonado, mas, também me vi na delicada situação de acabar, e só aí pude entender o porquê de tal cidadã ter acabado comigo. Pra você, que já foi a vítima da relação que se acabou e nesse momento ainda exala fortes palavras de ódio e raiva para o seu ex, não pare de soltar o verbo, mas agora, talvez, permita-se entendê-lo. 

Muitos poetas ao longo de suas vidas buscaram pela tal metade, quando, na verdade, a metade para o que não há é o complemento de algo que já é completo, ou seja, você mesmo. Eles até demoraram a entender isso, mas acho que sempre se deram por vencidos. Não há nada mais lindo do que se conhecer e entender quando se está cheio ou às beiradas de se completar. É a estabilidade do ser. Quando se relaciona com alguém, não se deve buscar o complemento, mas, sim, o transbordar do ser.

Você, sim, você mesma que acabou comigo há menos de um ano atrás, muito obrigado. Obrigado por me mostrar que, apesar da raiva que tive de você, eu comecei a me conhecer. Me conheci muito, mas ocorreu um erro em meu HD e acabei me apaixonando por outra pessoa, quando na verdade deveria estar me apaixonando por mim, e conhecendo outras pessoas. 

Com o coração em dores por estar sendo partido, tive de abandonar aquela que tanto me fazia bem, porque a situação em que estávamos não me proporcionava um bem-estar interno. Mesmo sabendo que iria magoar alguém, eu acredito que senti muito mais do que ela por ter que tomar aquela atitude, afinal, eu não estava completo, e ainda não estou. 

Hoje me pego conversando com uma das pessoas cujo pensamento e intelectualidade admiro, e ela me fez um questionamento que embasa mais uma vez todo meu pensamento: "onde você busca a sua felicidade?" Eu nem soube o que dizer, afinal, onde buscamos nossa felicidade. 

Agora, com a cabeça mais fria e a barriga mais forrada - estava com tanta fome que não conseguia raciocinar direito -, eu digo a mim, e a você que está lendo isso, que a felicidade eu busco em mim mesmo, e quando eu conseguir passar a minha felicidade, através dessa capa que vestimos e chamamos de corpo, para as outras pessoas, eu posso, enfim, ir em busca de uma inundação que me leve a um mar de felicidades.

Texto enviado e assinado por P.H. Flores.

Postado por: Bárbara Andrade

Posts relacionados

0 comentários