Resenha: The Good Place

17:29

FOTO: IMDb

Postado por: Tuane Peres


Após sua trágica e cômica morte, Eleanor (Kristen Bell), se vê em um "lugar bom", um lugar para qual as pessoas que dedicaram suas vidas a bondade e honestidade vão quando seus dias na Terra acabam. Essa estranha representação do céu é dividida em bairros e cada um possui seu próprio arquiteto, sendo o responsável por esse, em específico, Michael (Ted Danson), um estranho senhor apreciador, por aguma razão, de frozen yogurt. Após orientada Eleanor conhece Chidi (William Jackson Harper), um professór de filosofia ética que pensa demais; Tahani (Jameela Jamil), uma filantropa que beira a perfeição e Jianyu Li (Manny Jacinto), um monge budista que tem um voto de silêncio que transcende a morte.

The Good Place é uma série original da Netflix que trás, principalmente, questões filosóficas sobre ética e o que move o ser humano a agir como age, abordando de uma maneira leve e engraçada através dos diálogos e situações de seus personagens principais, os quais cativam o espectador de maneira rápida. A personagem de Kristen Bell, apesar das atitudes controversas, faz com que o público torça pelo sucesso da principal, juntamente com os outros cinco personagens divergentes e cativantes. O show não possui um grande heroi sem defeitos, nos lembra que a humanidade é falha, mas mudar é possível e necessário.

Apesar de abordar temas sérios e nos trazer uma reflexão mais profunda a cada episódio, The Good Place entrega um humor leve através do roteiro perfeitamente escrito de Michael Schur, que rende melhores supresas e twists a cada episódio das duas temporadas, deixando sempre um gostinho de "quero mais". Adicionado-se ao roteiro a relações interpessoais dos personagens gera risadas e emoções, principalmente quando se fala da relação conturbada de Eleanor e Chidi e duas relações um tanto quanto surpreendentes de Jason. Alguns episódios da segunda temporada parece um tanto quanto cansativos, porém, sem nunca ficar monótonos. O final entregue na segunda temporada compensa tudo, deixando um ótimo cliffhanger para uma possível terceira temporada, igual como foi em sua temporada estreante.

Os questionamento deixados no primeiro ano são respondidos na segunda temporada, utilizando de muitos easter eggs e, óbvio, muito humor. Aguardo a terceira temporada ansiosamente e espero que ela não perca a excelente qualidade e que outros questionamentos provocados no segundo ano sejam respondidos nesse ano seguinte. E por fim, fica a minha recomendação caso você goste de uma comédia engraçada e que lhe provoque a cada episódio sem nunca ficar repetitiva.

Posts relacionados

0 comentários