Diário de viagem: Monte das Gameleiras

22:00

pedra da boca

No último fim de semana, eu estive um lugar que, através das fotos, muitos dos meus amigos duvidaram ser no Rio Grande do Norte. Mas é sim! Trata-se de Monte das Gameleiras, uma cidadezinha interiorana no alto de uma serra e com uma série de atrativos bem legais. Visitei, também, o Parque Estadual da Pedra da Boca, onde fiz uma trilha de 2h bem punk para alguém como eu haha e mais alguns restaurantes muito gostosos. São lugares sensacionais bem aqui no estado que eu resolvi mostrar para provar que não é preciso ir longe para ter uma viagem incrível. O RN é muito bonito e está repleto de destinos legais =D

OBS os textos estão entre as sequencias de imagens, então fiquem atentos.

Postado por Ana Letícia


distraída na trilha


O Parque Estadual da Pedra da Boca fica na cidade de Passa e Fica, um interiorzinho pacato onde se localiza a padaria Paris, produtora do melhor croissant do Brasil - na minha humilde opinião. Passamos por lá antes de seguir viagem para lanchar e encomendar alguns croissants a fim de trazer para Natal, pois eles são realmente bons e baratos. Depois, seguimos até um restaurante localizado bem próximo à Pedra da Boca, de onde partem as trilhas e é possível ter uma visão bem legal das formações geológicas da região. 

Ninguém me falou que seria tão intenso. Quando soube que faríamos a trilha mais leve, pensei que duraria uns 20 minutos e iríamos apenas andar. Que engano, meus amigos... foram 2h de percurso entre a vegetação da caatinga, subindo em pedras íngremes e adentrando grutas escuras. Era preciso estar sempre bem atento aos nossos passos para evitar acidentes, porque rochas são muito escorregadias e alguns espaços eram bastante difíceis de acessar. Mas a beleza dos lugares era tão grande, que valia todo o esforço.

Estava super quente, afinal, estamos no Nordeste e o nosso sol não está para brincadeira hihi mas dentro das grutas era bem friozinho e as árvores da trilha faziam sombra, tornando a experiência suportável. Porém, essa é a única maneira segura de explorar a região. Em caso de chuva, teríamos de correr para fora das grutas, ou morreríamos afogados. Além disso, as pedras se tornam demasiadamente escorregadias, e a chance de ocorrer um acidente grave é de quase cem por cento. Por outro lado, quando a chuva cai, belas cachoeiras se formam entre as rochas, transformando o cenário e criando outras funcionalidades para aquele parque maravilhoso.

Minha aventura foi legal, mas considerada leve para o potencial da região. Há trilhas bem mais extensas, além de escaladas e rapel. É barato, seguro e os guias que nos acompanham sabem bastante sobre a fauna e flora local. Aquela mata possui todos os recursos para manter vivo alguém que seja suficientemente corajosos para explorá-la. Há plantas que servem de alimento, remédio e veneno também. Então é importante não se arriscar levando nada à boca ou aos olhos sem conhecer.

Seguimos viagem para Monte das Gameleiras. 

bem aventureiros

 

muito feliz antes de entrar nas grutas e sofrer

admirada
 
 
 
 
 

Nós nos hospedamos em um lugar chamado Casa do Doutor. Ela, e outros locais que visitamos, está localizada entre os municípios Serra de São Bento e Monte das Gameleiras, em um vilarejo cheio de casas para aluguel e pequenas pousadas. Construída na beira da serra, essa casa de pedra valoriza ao máximo a paisagem estonteante que a cerca. Os janelões dão para para um cenário natural incrível, sendo possível acordar, fazer as refeições e até lavar os pratos admirando uma imensidão de beleza. O problema, porém, é que os raios do sol poente invadem a sala de jantar e a cozinha, tornando a estadia nesses cômodos durante a tarde quase insuportável. 

Ainda não tenho propriedade para fazer muitas sugestões, mas sei que haviam formas melhores de aproveitar a paisagem sem prejudicar o conforto térmico da casa. Fora esse ponto, e o acesso ruim, a residência é realmente muito boa para se hospedar. A piscina também é privilegiada pela vista das serras e, apesar de ser muito quente durante o dia, a noite faz um friozinho muito bom, tornando o deck um ambiente ótimo para beber vinho e conversar com os amigos. 

Nós chegamos, fizemos o almoço e resolvemos descansar/desfrutar a casa. Tirei uma infinidade de fotografias porque o lugar era tão lindo, mas tão lindo, que eu sentia um impulso enorme para tentar registrar cada detalhe. Impossível, confesso. Minhas fotos não capturaram nem metade da beleza do lugar. 

À noite, nós fomos comer no Doce Café Bistrô, um restaurante bem gostoso e barato em Monte das Gameleiras. Infelizmente, esse foi um dos poucos lugares que visitamos de fato. Era pouco tempo e queríamos fazer tudo com calma, então deixamos muitos pontos fora do nosso roteiro. Porém, temos a pretensão de voltar em breve para explorar mais a região e conhecer as outras hospedagens. 

Ao voltamos para casa, preparamos um jantar e depois fomos para o deck beber vinho, dançar e bater papo. Como eu disse, é bem frio ao anoitecer, mas eu dancei tanto que depois de um tempo já estava sentido calor. Apenas na hora de dormir a frieza se mostrou presente. Dormi bem enrolada em vários cobertores e bem feliz pelo dia que passou.
casa do doutor
 
por do sol
 
vista incrível

sendo blogueira
 
deck da piscina
 
 

 

aproveitando essa luz maravilhosa




essa era a casa ao lado e eu fiquei apaixonada por ela

No domingo pela manhã, visitamos a pousada Pedra Grande, que tem um temática meio holandesa & afins. Há um grande moinho -de mentira-, as casas são como cabanas, há alguns objetos característicos espalhados pelo jardim e existe até uma casinha estilo O Hobbit, mas que na verdade é um spa. O ambiente é muito lindo para tirar fotos, com detalhes muito bem planejados, por isso senti bastante falta do meu namorado naquele momento rsrs acontece que minha mãe, por mais bem intencionada que seja, não tira fotos tão boas quanto ele, que é basicamente meu fotógrafo pessoal (obrigada, amor). Então, ainda que minhas fotografias tenham ficado boas, sinto que havia potencial para serem melhores. Porém, como não sou ingrata, agradeço o esforço de mamãe haha

Além de bonito, essa pousada oferece diversos eventos ao anoitecer, mas infelizmente não participamos de nada dessa vez. Trata-se de um local aberto ao público para visitação, e eu acho essa uma ótima estratégia de marketing, pois quanto mais pessoas conhecendo a hospedagem e consumindo em seu restaurante, melhor. 

Depois disso, voltamos para casa e caímos na piscina. Bom, eu não caí, fiquei apenas na beirada comendo e curtindo a vista porque decidi não levar roupa de banho. Confesso que me arrependi, porque o sol estava matador, em contraste com o friozinho da noite. Isso ocorreu porque geralmente eu levo malas bem cheias para as viagens, mas dessa vez resolvi reduzir. A solução para mim agora é evidente: mais é mais, chega dessa história de minimalismo :p Eu posso ir até para o Alasca, mas sempre vou levar um biquíni e um shortinho na bagagem.

Finalizamos o passeio almoçando no restaurante Galinha da Serra. Eu adorei esse lugar, porque nós chegamos relativamente tarde (umas 14h) e ainda sim nossa comida ficou pronta bem rápido. Foi uma delícia almoçar uma tilápia gostosa enquanto admirava a vista espetacular da região. Além disso, o atendimento era ótimo, o que conta vários pontos positivos para mim. Futuramente pretendo visitá-los para experimentar as outras refeições também.

E assim se encerrou o nosso passeio. Saibam que nós não aproveitamos nem metade do que a região tinha a nos oferecer. Mas não tem problema nenhum. Sendo apenas a 2h30 de Natal, em poucos meses nós pretendemos voltar, sem pressa alguma para explorar. Não tem graça viajar bitolado, com roteiro fechado e cheio de normas para seguir, especialmente para um destino tão próximo. Além de Monte das Gameleiras, pretendemos explorar um pouco Serra de São Bento também, outro lugar com ótimas referências. Seja como for, aguardem, porque novos posts sobre essa aventura virão, para que voces conheçam e se apaixonem pelo RN comigo <3 

pousada pedra grande

 
hobbit spa


chalé da pousada
 

 

Posts relacionados

2 comentários