Não é preferência, é racismo

21:56

Meu texto de hoje aborda um assunto sobre o qual o brasileiro detesta conversar. A gente até se diz aberto à discussão e nega com todas as forças que compactue com isso, mas o racismo é um tabu enorme dentro de qualquer roda de conversa. “É pesado demais” eles dizem. “Eu não sou racista” fazem questão de repetir. Mas dialogar e refletir suas atitudes? Ninguém está disposto. E se sentem extremamente ofendidos caso confrontados dentro desses raros diálogos.

Postado por: Ana Letícia


Em primeiro lugar, é preciso parar de crer que o racismo só acontece de forma explícita. Posso dizer que já presenciei muito do racismo na minha vida, e em nenhuma dessas vezes a coisa aconteceu de maneira escancarada. É um comentário "inocente", uma "piada engraçada", uma "opinião" segura, uma "preferência" pessoal. O preconceito raramente mostra sua face mais hostil. Geralmente, ele usa máscaras muito mais amigáveis para se apresentar ao mundo.

Indo direto ao ponto, a minha grande motivação para escrever esse texto veio dos comentários de um vídeo no Youtube. Uma garota questionou por que está havendo essa supervalorização dos mamilos/vagina cor-de-rosa nas redes sociais e uma série de pessoas de dispuseram a responder suas versões dos fatos. Uma das mais ativas nos comentários defendia que aquilo se tratava puramente de preferência e era irresponsável ligar algo tão bobo ao racismo. Aí, isso me deixou com uma raiva. E eu nem vou entrar no mérito sexista da questão...

Vale salientar, para inicio de conversa, que mamilos rosa são uma característica exclusiva de pessoas brancas, aquele tipo ideal de ser humano tão adorado pela nossa sociedade (e constantemente enfatizado através da mídia). Destaco, também, que é perfeitamente normal as pessoas terem suas preferências em relação aos seu desejos. Porém, eu me pergunto: é normal tantos homens afirmarem se sentir enjoados com genitálias/peitos escuros e darem tanto valor para o quão claros são os mamilos de uma mulher? É normal alguém falar que só vagina “rosinha” presta e qualquer outra é simplesmente descartável? Isso é preferência? E de onde surgiu essa predileção?

Eu chamo de racismo, sexismo, escrotice e falta de noção.

Racismo não ocorre só quando alguém agride um negro e deixa claro para todos a sua motivação. É necessário apontar o racismo nas pequenas coisas também! O preconceito acontece de maneiras tão singelas que às vezes corre o risco de passar despercebido por quem está cometendo... mas quem sofre, eu te garanto, sente como uma navalha. 

Portanto, eu imploro: cara gente branca, ao invés de permanecer na defensiva, tentando provar constantemente o quão não-racistas vocês são, proponho-lhes uma mudança de atitude... reflita. Se alguém apontou que sua atitude foi racista, escute, procure entender, admita o erro. Todas as pessoas possuem preconceitos enraizados dentro de si, por isso nós precisamos abrir nossas mentes e ouvidos para desconstruí-los. Tente entender, por favor, que isso não é sobre você. Não é sobre se você é uma pessoa boa ou ruim. Simplesmente não é sobre você! Trata-se de algo imenso, uma cultura violenta que nós trabalhamos cotidianamente para combater.

Abram seus olhos. O racismo está em todo lugar. Não é algo irrisório só porque você não vê. É extremamente insensível afirmar esse tipo de coisa, saiba disso.

Bom, sinto-me um pouco menos irritada ao finalizar esse texto. Mas, infelizmente, é frustrante pensar que minhas palavras não surtirão tanto efeito. Cocielos continuarão existindo por um bom tempo. Babacas virão aqui nos comentários para dizer que estou de "mimimi". O Brasil ainda é um país onde os índices apontam de forma gritante o nosso abismo racial. Mas a esperança nos dá força para persistir, e nós não desistiremos.

Posts relacionados

0 comentários